Pesquisar

Sincerely, Eco

Sexta curiosidade

Entre muitas tendências que envolvem o mundo fora, alguns bons de nós conhecem alguém que decidiu ter animais de estimação exóticos, como cobras, tarântulas ou ainda escorpiões. No entanto, hoje não vamos falar das estranhezas dos outros e sim do vangloriado “melhor amigo do homem”.

Entre muitos outros, os cães são dos animais de estimação mais famosos do mundo. Descendentes dos lobos, consta-se que os cães começaram a ser domesticados há mais de 30 mil anos e está cientificamente provado que são o animal com maior capacidade de empatia para connosco, ou seja, são capazes de entender os nossos sentimentos e emoções melhor que qualquer outro.

Os bobies são animais sociais, dotados de grande capacidade de olfacto e audição, o que lhes permite desempenhar tarefas que vão muito além de qualquer outro animal doméstico, características que lhes adicionam mais valia no mundo das preferências.

A sua glória é de tal forma prolongada, que ainda durante a época renascentista foram encontrados retratos de cães como símbolos de fidelidade e lealdade na arte mitológica,  alegórica e religiosa em toda a Europa, incluindo obras de Leonardo da Vinci.

Alguns dos nossos peludos mais preferidos também conseguem detectar o cancro. Experiências demonstraram que numa fase inicial, enquanto o tumor é muito pequeno para ser detectado por um médico, algumas espécies de cão conseguem detectar o cancro do pulmão, cheirando apenas a  respiração de uma pessoa.

O primeiro e provavelmente um dos mais conhecidos “superstars” caninos de Hollywood foi Rin Tin Tin, um pastor alemão que foi encontrado com cinco dias ferido na batalha na Primeira Guerra Mundial e adoptado por um soldado americano, Lee Duncan. O requintado bichinho chegou a assinar os seus próprios contratos com a cópia da pata.

Além de detectar cancro, aparentemente os nossos amigos de quatro patas também influenciam o nosso tempo. No quotidiano ouvimos provérbios que muitas vezes não fazemos ideia de como surgiram, como por exemplo “dias de cão no Verão”. Pelos vistos, os tais foram nominados pelos antigos gregos para descrever os dias mais quentes do verão que coincidiam com o nascimento da Estrela do Cão, Sirius.

Todos sabemos o quanto queridos são os nossos animais de estimação, por isso da próxima vez que se aborrecer com o cão do vizinho que não pára de ladrar às tantas da manhã, lembre-se que há uma estrela dedicada só para eles. E para aqueles que procuram uma solução eficaz e amigável, veja aqui a nossa melhor oferta.

Mantenha-se Eco.

 

 

 

 

 

 

Livres

Após a proposta lançada em 2013 pela organização ambientalista Greenpeace, os países europeus finalmente entraram em ação contra utilização de produtos pesticidas. Em Portugal, a partir de ontem passam a ser proibidos os fitofármacos em jardins, parques de campismo, hospitais e centros de saúde, lares de idosos e escolas, ficando de fora as escolas de formação em ciências agrárias.

As novas regras não se aplicam às situações em que haja necessidade de eliminar uma praga. No entanto, o processo exige uma autorização da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária, que é o órgão responsável pelo regulamento de aplicação de produtos fitofármacos. Mesmo assim, é recomendado que seja dada “prioridade à utilização de produtos cuja utilização é permitida em modo biológico e de produtos fitofarmacêuticos de baixo risco, quando disponíveis, ou quando não exista alternativa”.

A nova legislação determina também que seja dada preferência a produtos fitofarmacêuticos que não contenham substâncias ativas incluídas na lista de substâncias perigosas prioritárias.

Os relatórios responsáveis por esta ação entre a comunidade europeia, introduziram informação acerca de lista de pesticidas utilizados que prejudicam as populações de abelhas, abelhões, borboletas e insetos aquáticos, e têm “possíveis efeitos de propagação” nas cadeias alimentares.

Com esta boa notícia finalizamos a nossa semana no contentamento com um país cada vez mais consciente. Não perca esta oportunidade e verifique as nossas últimas promoções.

Mantenha-se ECO.

Desfechos

Tique-taque … Tique-taque … Este é o som do dia, do ano e, no fundo, da vida. Com o final do ano já a espreitar da esquina, O Dia de Tique-taque lembra-nos que ainda há coisas que estão por fazer e na verdade apenas dois dias para as terminar.

Pretendia pintar aquele quarto? Talvez compor aquela saia, ou ainda limpar a garagem. Todas essas coisas são possíveis nos últimos momentos de desvanecimento do ano. Talvez o que ficou inacabado seja de natureza mais pessoal. Gostava de reconciliar uma velha amizade este ano? Ou resolver um antigo desentendimento com um membro de família? Talvez finalmente tomou um momento para definir algo certo e apenas nunca encontrou o tempo. O Dia de Tique-taque dá-lhe essa oportunidade!

Todos os anos as pessoas aguardam a chegada da véspera de Ano Novo para estabelecer as suas resoluções, que, sejamos sinceros, raramente se vêem concluídas. Mas o que acontece com o tempo e os últimos momentos preciosos? O Dia de Tique-taque foi feito para nos encorajar a aproveitar os últimos restinhos de tempo para completar aquilo que queremos deixar no ano que passa ou avançar com o que queremos continuar no ano que se aproxima.

Não seria bom começar o ano que se avizinha com uma cabeça clara e um coração limpo? Contando que ainda tenha espírito suficiente, não deixe o fim do ano com arrependimentos, vá a nossa loja online e aproveite para verificar as promoções de final do ano. Saia e vença o Tique-taque.

Mantenha-se ECO.

Thankful

On this rainy day, who wouldn’t love a cup of hot chocolate with a dash of pumpkin spice, the most autumnal spice ever?! And it’s precisely the flavors of autumn that lead us today to thank and feel appreciated for the year that is almost over. History takes us today to Thanksgiving, the holiday that traditionally starts the festive season in United States.

The most popular day in US is set on last Thursday of November and, obviously, it is a national holiday. The tradition of giving thanks to nature at the end of annual crops has been a tradition of many cultures. Celebrations like Dankdag in Holland, Erntedankfest in Germany that has its modern translation in Oktoberfest or even the Japanese Kinro Kansha in Hi, all are occasions to commemorate the hard work, cultivation and appreciation of each other. However, Thanksgiving itself has a very special beginning.

Its history begins at the first farewell celebration in 1621, at the Plymouth Plantation, where religious refugees from England, popularly known as the Pilgrims, invited Native Americans to a harvest feast after a particularly successful season.

The harvests of previous years were very poor and so the winter of 1620 was particularly difficult, causing half of the pilgrims to starve to death. Fortunately, members of the local Wampanoag tribe taught pilgrims how to grow corn, beans and squash (the Three Sisters), as well as how to catch fish and collect seafood.

There are only two contemporary recordings of the “thank you” of 1621 and surely the turkey was not on the menu. However, it is known that the celebration of a successful collaboration lasted three days and that the guests savored wild goose, lobster, cod and deer.

And as we are also very grateful to have accompanied so much during this fruitful year, as our thank you, during next December all the shipments of our online shop will be free!!! Also, follow our promotions and some exciting news that we have to offer next year.

Keep on ECO.

Agradecidos

Neste dia chuvoso, a quem não saberia bem uma chávena de chocolate quente com uma pitada de pó de abóbora, a especiaria mais outonal de sempre?! E são precisamente os sabores e as tradições de outono que nos levam hoje a agradecer e sentir-nos bem apreciados pelo ano que está quase a terminar. A história nos leva hoje para o Dia de Ação de Graças ou Thanksgiving que tradicionalmente começa a época festiva nos Estados Unidos.

O dia mais popular nos EUA foi ajustado para a última quinta-feira do mês de Novembro e, obviamente, é feriado nacional. A tradição de dar graças a natureza no final de cultivos anuais tem os seus inícios em muitos povos. Celebrações como Dankdag na Holanda, Erntedankfest na Alemanha que tem a sua tradução moderna em Oktoberfest ou ainda o japonês Kinro Kansha no Hi todas são ocasiões para comemorar o trabalho árduo, o cultivo e o agradecimento de um ao outro. Porém, o Dia de Ação de Graças tem um começo muito particular.

A sua história começa na longínqua primeira celebração, em 1621 na Plantação de Plymouth, onde os refugiados religiosos da Inglaterra, conhecidos popularmente como os peregrinos, convidaram os locais nativos americanos para uma festa de colheita após uma época de crescimento especialmente bem-sucedida.

As colheitas dos anos anteriores teriam sido muito pobres e por isso o inverno de 1620 foi particularmente difícil, levando a metade dos peregrinos morrerem de fome. Felizmente, os membros da tribo local Wampanoag ensinaram os peregrinos como cultivar o milho, o feijão e a abóbora (as Três Irmãs), também como pescar e coletar frutos do mar.

Existem apenas dois relatos contemporâneos do “agradecimento” de 1621, mas é claro que o peru não estava no menu. No entanto, sabe-se que a festa do próspero resultado da colaboração durou três dias e que os convidados saborearam ganso selvagem, lagosta, bacalhau e veados.

E como também nos sentimos muito gratos por nos terem acompanhado durante este ano frutífero, como nosso agradecimento, no próximo mês de Dezembro todos os envios da nossa loja online terão os portes gratuitos!!! Acompanhe também as nossas promoções e as novidades que temos para oferecer no ano que vem.

Mantenha-se ECO.

Zumbidores Românticos

Ah, mosquitos – os insetos que são universalmente odiados. Estas pragas portadoras de doenças passam a vida sugando o sangue de qualquer coisa que se move, inclusive nós. Mas vamos por um momento olhar para as coisas do ponto de vista do mosquito.

Os mosquitos são os animais mais mortais na Terra

É isso mesmo, mais mortes estão associadas com mosquitos do que com qualquer outro animal no planeta. Os mosquitos podem carregar grande número de doenças mortais, incluindo a malária, dengue, febre amarela e encefalite. Eles também são portadores de dirofilariose, que pode ser letal para os animais de estimação como cães.

Só as fêmeas de mosquitos picam seres humanos e animais, os machos alimentam-se só de néctar de flores

Não é nada pessoal quando os mosquitos sugam o seu sangue. As fêmeas precisam de proteína para os seus ovos e, naturalmente, precisam de uma refeição de sangue a fim de os reproduzir. Como os machos não arcam com a responsabilidade de produzir as crias, eles vão evitá-lo completamente e vão diretos às flores.

Alguns mosquitos não picam os seres humanos preferindo outros hospedeiros como anfíbios e aves

Nem todas as espécies de mosquitos alimentam-se de pessoas. Alguns mosquitos especializam-se em outros animais e não nos incomodam de todo. Culiseta melanura, por exemplo, faz questão de picar só as aves exclusivamente. Outra espécie de mosquito, Uranotaenia sapphirina, é conhecido por se alimentar só de cobras, lagartos e sapos. Bom apetite.

Os mosquitos voam a uma velocidade de 2,5km/h

Isso pode parecer rápido, mas no mundo dos insetos os mosquitos são realmente lentos. Se fosse realizada uma corrida entre os insetos voadores, todos os outros competidores ganhariam o mosquito. São tão limitados que mesmo as borboletas, gafanhotos e as abelhas todos terminariam bem à frente destes traquinas. E se você caminhar rápido o suficiente também consegue fugir do mosquito.

As asas de um mosquito batem 300-600 vezes por segundo

E isso explica o irritante zumbido que se ouve pouco antes de um mosquito aterrar em si e pica-lo.

Os mosquitos sincronizam o batimento das suas asas para realizar o dueto de amantes

Os cientistas pensavam que só mosquitos machos podiam ouvir as batidas de asas das suas potenciais companheiras, mas uma pesquisa recente sobre mosquitos Aedes aegypti provou que as fêmeas também ouvem os seus amados. Quando o macho e fêmea se encontram, o seu zumbido é sincronizado com a mesma velocidade. Imagine aquele zumbido dos desgraçados duplicado, ah, que romântico.

Há mosquitos que viajam mais de 170km só para reproduzir as larvas

A maioria dos mosquitos emergem de seu terreno fértil aguado e ficam perto de casa para o resto da vida. Mas alguns, como o mosquito sal de pântano, voam longas distâncias para encontrar o melhor lugar para viver, com todo o néctar e sangue que poderiam desejar.

Todos os mosquitos precisam de água para se reproduzir

Algumas espécies de mosquitos também se reproduzem em poças deixadas após uma tempestade. Apenas algumas polegadas de água é tudo o que é preciso para uma fêmea depositar seus ovos. Minúsculas larvas do mosquito desenvolvem-se rapidamente em banhos de pássaros, calhas do telhado ou qualquer outro objeto que serve de recipiente. Portanto, se quiser manter os mosquitos longe de sua casa, precisa de ser vigilante sobre qualquer água parada que esteja por perto.

Um mosquito adulto pode viver durante 6 meses

Poucos, provavelmente, conseguem atingir tais datas, dado a nossa tendência de andar a palmada com os bobos que tentam picar-nos. Mas, em certas circunstâncias, um mosquito adulto tem uma expectativa de vida bastante longa, para um inseto, claro.

Os mosquitos detetam dióxido de carbono a uma distância de 25 metros

O dióxido de carbono que os seres humanos e outros animais produzem, é o sinal chave para mosquitos que uma potencial refeição de sangue está nas proximidades. Uma vez que uma fêmea mosquito sente CO2 na vizinhança, ela voa de trás para a frente através da pluma de CO2 até que localiza a sua vítima. E é assim que não só contribuímos para o aquecimento global, mas também encaminhamos os mosquitos até nós.

Mas não deixe que os mosquitos o encontrem, veja aqui os melhores artigos de citronela para lhes confundir os cheiros.

Mantenha-se ECO.

Assustados

Estas criaturas podem ter conseguido algo de má reputação ao longo dos últimos milhares de anos. O que começou com aquela que enganou a simpática senhora a comer uma maçã, condenando assim toda a linhagem humana para mortalidade, levou à desconfiança total se não for o medo desesperado. E, embora seja compreensível que as pessoas temam um animal que pode facilmente matá-las, nós pensamos que estas fascinantes e diversas criaturas que variam de poucos centímetros a 12 metros de comprimento, e de amigável e dócil a agressivo e mortal, merecem que as pessoas saibam mais sobre elas. Como já deve ter adivinhado, hoje vamos falar de cobras. E porque não há altura melhor de falar sobre estes répteis que no verão, que é precisamente o tempo em que as mesmas avassalam todo o tipo de terreno, levando-nos ao tal medo primordial.

Historicamente, a cobra é uma das mais antigas personagens mitológicas e tem sido reverenciada por civilizações em todo o mundo. Em muitas culturas ela é indicada como o símbolo de sabedoria, inclusive, ganhou o seu lugar como o ícone universal de medicina. Há cerca de 3 458 espécies de cobras conhecidas até agora, que vão desde a tundra semicongelada do Norte, às selvas fumegantes do equador para baixo e à maioria dos oceanos do mundo. As serpentes são predadoras altamente eficazes e desempenham um papel vital na manutenção do equilíbrio da natureza em cada uma destas zonas. Cobras também são fascinantes pelo que são uma linhagem antiguíssima, dando-nos assim um vislumbre de volta a um tempo pré-histórico quando a terra era governada por répteis, e são, literalmente, os primos dos dinossauros a respirar.

As espécies que parecem fascinar mais as pessoas são a Cobra Rei, que é a maior cobra venenosa do mundo que a maioria das pessoas já viram em filmes a sair da cesta com um encantador de serpentes a tocar a flauta; o Cascavel, que forçou inúmeras pessoas a sugar o veneno para fora da mordida antes que seja tarde demais; e Píton-reticulada, maior cobra do mundo que mata suas presas por estrangulamento.

O Dia Mundial da Cobra, que é precisamente esta semana, foi criado para ajudar as pessoas a aprender mais sobre estes animais e quanto eles contribuem para o mundo como nós o conhecemos. Alguma vez pensou em ter uma cobra de estimação? Se não, então aqui estão alguns fatos interessantes para ajudar a afastar as cobras de si.

1 – Antes de mais, torne a sua propriedade o quanto menos atraente possível para as cobras. Para conseguir isso, limpe todos os detritos, mantendo arbustos e plantas aparadas, preencha todos os buracos e as lacunas no concreto, paredes ou pedras (elas amam estas áreas) e sele também qualquer orifício que pode dar acesso a sua casa, como espaços debaixo das portas, janelas, etc. Em casos extremos, pode instalar uma cerca ao redor do perímetro de sua propriedade – uma cerca sólida, não uma cerca de arame é claro.

2 – Espalhe pastilhas de naftalina ao redor da sua propriedade, estas são repelentes de cobras indicados para quintais, por exemplo. As mesmas funcionam a base de ingrediente naftaleno que é a substância ativa repelente. Na verdade, a naftalina utiliza-se em vários remédios comerciais, sendo que é irritante para recetores químicos das cobras. No entanto, tenha especial cuidado para não usar este método repelente se tiver animais de estimação ou crianças.

3 – Tenha a certeza que a sua propriedade está livre das fontes de alimentação que são mais habituais para as cobras, que são: ratos, sapos, lagartos e outras cobras. O importante é que elas não tenham o que caçar ou se sentirem ameaçadas e precisarem de se defender.

4 – Plante citronela ou plantas com cheiro a citrinos a volta da sua propriedade. Cobras não gostam do cheiro cítrico emitido pelas folhas e a planta em si exige muito pouco cuidado. Uma vantagem adicional de citronela é que é a base para a maioria dos repelentes de mosquitos, assim, ao plantar a mesma não repele só as cobras, mas também põe os traquinas dos mosquitos a distância.

5 – Existe ainda a indicação de que as misturas de alho são eficazes como repelente de cobra. E é uma solução que pode preparar em sua casa, basta triturar 10 dentes de alho e misturar com quatro colheres de sopa de óleo de alho ou de qualquer outro óleo vegetal, e adicionar alguma água. Espalhe este preparado ao longo da área que pretende proteger e deixe que o cheiro e a textura afastem os animais. A pesquisa mostrou ainda que o óleo de canela e o óleo de cravo da índia também são eficazes para serem usados como repelentes de cobra. No entanto, este método não foi totalmente verificado e a sua funcionalidade pode ser comprometida por outros fatores.

E para aqueles que preferem a facilidade de repelentes industriais, pode verificar os artigos da nossa loja online que são indicados especificamente para afastar todo o tipo de cobras e osgas.

Mantenha-se Eco.

Curtas às Quintas II

Os bem-sucedidos

Até à data, os cientistas catalogaram cerca de 1,5 milhões de espécies de organismos no planeta, onde os insetos ocupam cerca de dois terços desta recompensa. Mas os investigadores só começaram a arranhar a superfície, estima-se que no nosso planeta existem mais de 9 milhões de espécies de seres vivos. E mesmo do tão diversificado mundo de criaturas, cerca de 90% das espécies são contados como pertencentes à classe Insecta. As razões para o sucesso dos insetos incluem seu tamanho minúsculo, que lhes possibilita esconder-se facilmente e reduz os requisitos totais de energia, ampla dieta de ambos os alimentos naturais e artificiais, resistentes exo-esqueletos, posse de asas que lhes permite fugir facilmente e, obviamente, a capacidade prodigiosa para se reproduzirem.

Fortes como os besouros

Besouros são o grupo de criaturas com maior biodiversidade, com mais de 380 mil espécies descritas até à data, tornando-os 40% de todas as espécies de insetos atuais. Na verdade, o que lhes possibilita serem tão diversificados é o apreço desordenado. Um recente estudo sugere o segredo do besouro é a sua versatilidade. Além de serem versáteis também são superfortes. Os cientistas relatam que o inseto mais forte do planeta é Onthophagus taurus, conhecido também como um escaravelho de touro. O potente bichinho pode puxar 1141 vezes seu próprio peso corporal! Parece incrível, no entanto, consta que os seres humanos não se deixam ficar para trás. Kevin Fast, um pastor canadense, detém o Recorde Mundial por puxar uma aeronave de 188 830 kg. Sr. Fast arrastou o gigante ao longo de 9 metros e, assumindo que ele pesa 136 kg, era 1388 vezes o seu peso corporal. Força aí, besouro, já não falta muito.

Planeta de formigas

Está calor lá fora? Se sim, olhe para baixo e provavelmente vai encontrar uma formiga ou duas ou 10 a correr algures. Os biólogos confirmam que os fenomenais 10 quatrilhões de formigas vivem no nosso planeta a qualquer momento. Isto é, cerca de 1,4 milhões de formigas por cada pessoa, com base na atual população mundial.

Respirar por todo lado

Sabia que os insetos não respiram pela boca ou nariz? Pois fique a saber que todos inalam oxigénio e exalam dióxido de carbono através de orifícios chamados espiráculos em seus exo-esqueletos. Estes buracos normalmente se localizam no tórax e abdómen dos insetos. Mas o mais bizarro é que o sistema respiratório de insetos não está ligado ao sistema circulatório, como nos humanos, em vez disso, os insetos têm uma rede vascular de tubos, chamada de sistema traqueal, que fornece oxigénio e retira dióxido de carbono de cada célula do corpo do inseto. Ainda bem que são pequenos.

Banho de sangue

Falando de sistemas circulatório, insetos são mesmo muito diferentes dos seres humanos e outros animais. Ao invés de recipientes (vasos sanguíneos) fechados, tais como artérias e veias que transportam o sangue ao redor, os insetos têm um sistema circulatório aberto, em que o seu sangue, chamado de “hemofilia,” simplesmente banha os órgãos. O “coração” do inseto é um recipiente segmentado e câmaras que funcionam ao longo das costas do bicho. O mesmo contrai-se para enviar hemofilia em direção à cabeça e, a partir daí, o fluxo que restar leva o líquido em torno de volta para todo o corpo. O sangue dos insetos é tipicamente translúcido, mas pode ser esverdeado ou amarelado, como já se sabe depois de vê-los esmagados.

Monstros e motes

O maior inseto alguma vez existente era uma libélula antiga com uma envergadura de 90cm. Estes insetos gigantes atacavam outros insetos e criaturas como pequenos anfíbios durante o seu reinado a cerca de 290 milhões de anos atrás. O maior inseto encontrado atualmente é Weta gigante de Nova Zelândia, uma besta que pode pesar mais do que meio quilo. O inseto mais longo, entretanto, é o megastick de Chan, nativo da ilha de Bornéu, com o fenomenal comprimento de 66 cm. E o menor inseto? Na espécie de vespas provindas de Costa Rica, o macho mede os inimagináveis 0,014 cm. Nem o vai ver a chegar.

Eu vejo a si. . . e a si, e a si, e a si!

A falar de invisível, uma característica proeminente nos insetos é o olho composto, que consiste em muitas unidades visuais individuais chamados omatídios. Um equívoco popular é que cada unidade atua como seu próprio olho. Mas, na verdade omatídios agem mais como pixeis, construindo a imagem como um mosaico. Em alguns insetos o olho inclui cerca de 30 mil pequenos pixeis e esse tipo de distribuição visual permite um campo de visão de quase 360 graus. Além dos dois grandes olhos compostos de cada lado da cabeça, certos insetos possuem também os chamados olhos simples, ou ocelos, mesmo no meio da testa. No entanto, parece que o terceiro olho dos insetos não serve para previsão do futuro, mas sim para detetar a luz, particularmente para distinguir o horizonte, que lhes permite manter um bom equilíbrio durante as manobras em voo.

O mais rápido. Zoom!

Jerry Butler, agora professor aposentado de entomologia da Universidade da Flórida, é conhecido por uma experiência científica estranha. Ao tentar descobrir a velocidade máxima de um inseto, o cientista disparou uma bala cheia de feromonas femininas de certa espécie de inseto para ver se um mutuca macho, Hybomitra hinei wrighti, poderia alcança-la. Pelos vistos isso bem que funcionou, ficando o mutuca com o recorde de velocidade de insetos com os incríveis 145 km/h, posteriormente relatado na Discover Magazine.

Insetos de Matusalém

A maioria dos insetos vivem durante apenas alguns dias ou semanas como adultos, tendo de passar por vários períodos muito mais longos como larvas e pupas. No entanto, há exceções. Entre a ordem Hymenoptera (formigas, abelhas e vespas), as rainhas poedeiras de colónias podem viver durante várias décadas. No caso da formiga-vermelha, Pogonomyrmex barbatus, as rainhas podem viver contando com mais de 30 anos, cedendo o prémio de longevidade só às rainhas de cupins, que podem reinar por mais de meio século, quase fazendo a concorrência a rainha de Inglaterra.

Aqueles sem nomes

Por falar sobre as criações de dinastias, as rainhas de térmitas podem produzir de seis a sete mil ovos num único dia. Um entomologista uma vez registou que uma rainha de espécie de térmitas Macrotermes hellicosus, encontrada na África e no Sudeste Asiático, produz um ovo a cada 2 segundos, o que levaria a 43 mil ovos por dia, assumindo que ela nunca parasse.

E agora, consegue ouvir-me?

Contrariamente aos demais seres vivos, os insetos têm ouvidos em todo lado, menos nas suas cabeças. A maioria dos insetos tem os ouvidos localizados na base das suas asas, outros têm membranas sensíveis ao som nas pernas, alguns ainda aparecem nos seus abdómenes, mas o mais estranho é que alguns ouvem só através de um outro inseto parasita. Mesmo assim, ainda que estranhos, os ouvidos dos insetos conseguem captar muitos sons que não são audíveis para qualquer outro ser vivo. E você, ouviu o mosquito que acabou de o picar?

Mantenha-se ECO.

10 Curtas às Quintas

A comum

Embora existam muitas espécies diferentes de ratos, o exemplar que a maioria das pessoas associam à praga é a ratazana castanha. Originários do Norte da China e Mongólia, estes roedores contaminam inimaginavelmente as cidades como Nova York, onde as estimativas populacionais variam de a partir de algumas centenas de milhares até algumas centenas de milhões. Atualmente, as ratazanas têm permeado quase todos os cantos do globo com as raras exceções de zonas árticas e antárticas, na província canadense de Alberta, e algumas ilhas da Nova Zelândia. Por mais desprezo dado a ratazana comum, as ratazanas brancas usadas em laboratórios e mantidas como animais de estimação são as versões domesticadas desta espécie.

A tropical

Levadas a uma fração de escala anterior das omnipresentes e mais volumosas ratazanas castanhas, ratazanas pretas preferem locais tropicais, mas já foram a espécie dominante da Europa. Ao contrario da sua parente castanha, a ratazana preta é excelente escaladora e provou ser a ruína de muitas espécies de pássaros de assento em todo o mundo. Elas estão especialmente difundidas na Nova Zelândia e, entre todas as espécies de ratos, é esta que tende a ser sujeita a maiores explosões populacionais, normalmente em torno de épocas de colheita, quando o alimento é abundante. O melhor é que precisamente a este roedor que se deve a inauguração da Peste Negra.

Desarmados

É quase impossível proteger a sua casa das ratazanas na totalidade, elas conseguem passar através de aberturas tão pequenas quanto o diâmetro de um euro. De acordo com a Escala de Mohs, os dentes deste roedor são mais duros do que o ferro ou aço, e por isso são facilmente capazes de roer substâncias como blocos de concreto e qualquer tipo de madeira. Depois de terem invadido a casa, são muito difíceis de se desfazer. Cientificamente as ratazanas são consideradas bastante inteligentes, talvez é por isso que gostam de viver na companhia dos humanos e também são muito desconfiadas das armadilhas.

Zombies de verdade

Toxoplasma gondii é um parasita cujo ciclo de vida só pode ser desenvolvido totalmente no corpo de um gato. E, incrivelmente, este parasita consegue trazer benefícios para os seus portadores – ratos que se tornam infetados sofrem uma mudança na química do cérebro que faz com que eles se tornem atraídos, ao invés de repelidos, pelo cheiro felino. Obviamente, que depois disso não duram muito tempo.

Soldados universais

A disseminação de ratazanas por todo o mundo não é inteiramente devido às circunstâncias ocasionais. Elas são capazes de se adaptar a diferentes ambientes, sem muita dificuldade. Um rato pode durar mais tempo sem água do que um camelo, pode cair de cerca de cinco andares sem ferimentos, consegue sobreviver grandes doses de radiação e nadar mais de 1km em mar aberto. Ao longo das gerações elas ganharam cada vez mais imunidade aos venenos e até uma ratazana de esgoto hoje assusta qualquer gato de casa.

Rato VS Terrier

Enquanto alguns gatos domésticos podem ter em grande parte perdido a capacidade de capturar ratos, há muitas outras criaturas que dependem deles para manter as suas dietas. As corujas e os gaviões, as cobras, membros da família das doninhas, e muitos outros grandes predadores comem ratos. Há até algumas raças de cães concebidas especificamente para caçá-los – por exemplo, os terriers são extremamente bons em eliminar vermes. Mas não são só os terriers que se deliciam com estes roedores. As ratazanas são frequentemente consumidas em África, China e outras partes do sudeste da Ásia. Em certas áreas da Índia elas são consideradas uma iguaria e em outras são adoradas como descendentes da divindade hindu Ganesha – comida ou tabu.

Ciência de 4 patas

Não há como subestimar a importância do rato de laboratório na investigação. Grandes avanços foram feitos no campo da medicina a utilizar os ratos. Existem vários tipos de ratos que são quase idênticos uns aos outros geneticamente, incluindo os grupos Wistar, Sprague-Dawley e Long-Evans. No entanto, certas manipulações genéticas podem resultar em tipos muito específicos, tais como o rato Biobreeding, que desenvolve diabetes tipo 1, e rato Zucker, que se torna obeso. Ultimamente, ratazanas e ratos foram usados na engenharia de tecidos, um processo em que os roedores podem desenvolver a pele e a cartilagem para transplante em humanos. Irónico, não?

O dócil gigante

Para aqueles que têm medo de roedores, a ratazana gambiana seria um terror absoluto. Semelhante em aparência a uma ratazana castanha, a versão gambiana pode crescer até 7kg! Nativa de África, habitualmente é consumida como carne de animais selvagens, mas a sua natureza inteligente e dócil também a levou a ser domesticada e usada para detetar minas terrestres. Enquanto enorme nos padrões de ratos, é pequena o suficiente para passar por cima das minas sem detoná-las. Esta espécie de ratazana também mostra uma tendência acentuada para a deteção de tuberculose, conseguindo examinar uma amostra de saliva humana e detetar se está infetada muito mais rápido do que os seres humanos podem através de métodos mais científicos. Apesar de sua aparência chocante, o rato gigante é realmente muito amigável e tem um seguimento crescente como um animal de estimação exótico.

Até o infinito

Um casal de ratos pode ter 5 ninhadas, de 7 a 15 filhotes, em um ano e as crias tornam-se férteis em torno de 5 semanas de idade. Em um ambiente de vácuo, tal par poderia, teoricamente, produzir centenas de milhares senão milhões de descendentes em um único ano. Tal taxa prolífica de criação de animais é necessária para manter a sua espécie existente, no entanto, mesmo em circunstâncias auspiciosas, um rato selvagem raramente chega ao seu segundo aniversário. Dependendo de vários fatores ambientais, a taxa de mortalidade é de cerca de 95% nas primeiras semanas da vida do rato e mais de metade é culpa dos humanos. Quem diria..

Ratazana Rei

Uma ratazana rei é um estranho acidente em que muitas ratazanas agrupadas ficam inexoravelmente entrelaçadas por suas caudas. Vários exemplos foram encontrados desde a Idade Média, mas muitos duvidam da veracidade destes espécimes. Embora não seja estritamente reservado para a Alemanha, a grande maioria das ratazanas rei parece ter sido encontrada lá, dando algum crédito à ideia de que é um fenômeno cultural e, talvez, uma espécie de brincadeira de mau gosto. A maior ratazana rei conhecida é um grupo de 32 ratazanas pretas mumificados encontrados na chaminé de um moleiro em Buchheim, Alemanha, em 1828. A mesma pode ser vista em exposição no Museu de Altenburg, Alemanha. Não sabemos é como alguém se terá lembrado de atar as caudas de 32 ratazanas.

E você sabe algum facto ou história interessante sobre pragas urbanas? Não se esqueça de partilhar connosco.

Mantenha-se Eco.

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑