A comum

Embora existam muitas espécies diferentes de ratos, o exemplar que a maioria das pessoas associam à praga é a ratazana castanha. Originários do Norte da China e Mongólia, estes roedores contaminam inimaginavelmente as cidades como Nova York, onde as estimativas populacionais variam de a partir de algumas centenas de milhares até algumas centenas de milhões. Atualmente, as ratazanas têm permeado quase todos os cantos do globo com as raras exceções de zonas árticas e antárticas, na província canadense de Alberta, e algumas ilhas da Nova Zelândia. Por mais desprezo dado a ratazana comum, as ratazanas brancas usadas em laboratórios e mantidas como animais de estimação são as versões domesticadas desta espécie.

A tropical

Levadas a uma fração de escala anterior das omnipresentes e mais volumosas ratazanas castanhas, ratazanas pretas preferem locais tropicais, mas já foram a espécie dominante da Europa. Ao contrario da sua parente castanha, a ratazana preta é excelente escaladora e provou ser a ruína de muitas espécies de pássaros de assento em todo o mundo. Elas estão especialmente difundidas na Nova Zelândia e, entre todas as espécies de ratos, é esta que tende a ser sujeita a maiores explosões populacionais, normalmente em torno de épocas de colheita, quando o alimento é abundante. O melhor é que precisamente a este roedor que se deve a inauguração da Peste Negra.

Desarmados

É quase impossível proteger a sua casa das ratazanas na totalidade, elas conseguem passar através de aberturas tão pequenas quanto o diâmetro de um euro. De acordo com a Escala de Mohs, os dentes deste roedor são mais duros do que o ferro ou aço, e por isso são facilmente capazes de roer substâncias como blocos de concreto e qualquer tipo de madeira. Depois de terem invadido a casa, são muito difíceis de se desfazer. Cientificamente as ratazanas são consideradas bastante inteligentes, talvez é por isso que gostam de viver na companhia dos humanos e também são muito desconfiadas das armadilhas.

Zombies de verdade

Toxoplasma gondii é um parasita cujo ciclo de vida só pode ser desenvolvido totalmente no corpo de um gato. E, incrivelmente, este parasita consegue trazer benefícios para os seus portadores – ratos que se tornam infetados sofrem uma mudança na química do cérebro que faz com que eles se tornem atraídos, ao invés de repelidos, pelo cheiro felino. Obviamente, que depois disso não duram muito tempo.

Soldados universais

A disseminação de ratazanas por todo o mundo não é inteiramente devido às circunstâncias ocasionais. Elas são capazes de se adaptar a diferentes ambientes, sem muita dificuldade. Um rato pode durar mais tempo sem água do que um camelo, pode cair de cerca de cinco andares sem ferimentos, consegue sobreviver grandes doses de radiação e nadar mais de 1km em mar aberto. Ao longo das gerações elas ganharam cada vez mais imunidade aos venenos e até uma ratazana de esgoto hoje assusta qualquer gato de casa.

Rato VS Terrier

Enquanto alguns gatos domésticos podem ter em grande parte perdido a capacidade de capturar ratos, há muitas outras criaturas que dependem deles para manter as suas dietas. As corujas e os gaviões, as cobras, membros da família das doninhas, e muitos outros grandes predadores comem ratos. Há até algumas raças de cães concebidas especificamente para caçá-los – por exemplo, os terriers são extremamente bons em eliminar vermes. Mas não são só os terriers que se deliciam com estes roedores. As ratazanas são frequentemente consumidas em África, China e outras partes do sudeste da Ásia. Em certas áreas da Índia elas são consideradas uma iguaria e em outras são adoradas como descendentes da divindade hindu Ganesha – comida ou tabu.

Ciência de 4 patas

Não há como subestimar a importância do rato de laboratório na investigação. Grandes avanços foram feitos no campo da medicina a utilizar os ratos. Existem vários tipos de ratos que são quase idênticos uns aos outros geneticamente, incluindo os grupos Wistar, Sprague-Dawley e Long-Evans. No entanto, certas manipulações genéticas podem resultar em tipos muito específicos, tais como o rato Biobreeding, que desenvolve diabetes tipo 1, e rato Zucker, que se torna obeso. Ultimamente, ratazanas e ratos foram usados na engenharia de tecidos, um processo em que os roedores podem desenvolver a pele e a cartilagem para transplante em humanos. Irónico, não?

O dócil gigante

Para aqueles que têm medo de roedores, a ratazana gambiana seria um terror absoluto. Semelhante em aparência a uma ratazana castanha, a versão gambiana pode crescer até 7kg! Nativa de África, habitualmente é consumida como carne de animais selvagens, mas a sua natureza inteligente e dócil também a levou a ser domesticada e usada para detetar minas terrestres. Enquanto enorme nos padrões de ratos, é pequena o suficiente para passar por cima das minas sem detoná-las. Esta espécie de ratazana também mostra uma tendência acentuada para a deteção de tuberculose, conseguindo examinar uma amostra de saliva humana e detetar se está infetada muito mais rápido do que os seres humanos podem através de métodos mais científicos. Apesar de sua aparência chocante, o rato gigante é realmente muito amigável e tem um seguimento crescente como um animal de estimação exótico.

Até o infinito

Um casal de ratos pode ter 5 ninhadas, de 7 a 15 filhotes, em um ano e as crias tornam-se férteis em torno de 5 semanas de idade. Em um ambiente de vácuo, tal par poderia, teoricamente, produzir centenas de milhares senão milhões de descendentes em um único ano. Tal taxa prolífica de criação de animais é necessária para manter a sua espécie existente, no entanto, mesmo em circunstâncias auspiciosas, um rato selvagem raramente chega ao seu segundo aniversário. Dependendo de vários fatores ambientais, a taxa de mortalidade é de cerca de 95% nas primeiras semanas da vida do rato e mais de metade é culpa dos humanos. Quem diria..

Ratazana Rei

Uma ratazana rei é um estranho acidente em que muitas ratazanas agrupadas ficam inexoravelmente entrelaçadas por suas caudas. Vários exemplos foram encontrados desde a Idade Média, mas muitos duvidam da veracidade destes espécimes. Embora não seja estritamente reservado para a Alemanha, a grande maioria das ratazanas rei parece ter sido encontrada lá, dando algum crédito à ideia de que é um fenômeno cultural e, talvez, uma espécie de brincadeira de mau gosto. A maior ratazana rei conhecida é um grupo de 32 ratazanas pretas mumificados encontrados na chaminé de um moleiro em Buchheim, Alemanha, em 1828. A mesma pode ser vista em exposição no Museu de Altenburg, Alemanha. Não sabemos é como alguém se terá lembrado de atar as caudas de 32 ratazanas.

E você sabe algum facto ou história interessante sobre pragas urbanas? Não se esqueça de partilhar connosco.

Mantenha-se Eco.

Anúncios